Comunicamos que:

Neste Blog, trataremos de política local e nacional, esportes, saúde,educação e habitação, problemas sociais e vários outros temas de interesse relevantes.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Poesia: O Poder em Altaneira

Publicado por Junior Carvalho As quarta-feira, 11 de setembro de 2019  | Sem Comentarios





Desmascara ou da cara 
Pra real essência 
Da ganância de um homem
Proferida em voz alta
nos palanques 





A maior Farsa

Pediu a confiança
Na sua boa intenção
Pra comandar as Terras Altas



Vende-se

está escrito nas entrelinhas
Da sua campanha eleitoral
Assim que ganhar
Venderá
Princípios, Caráter e o seu Município
Se assim for preciso
Todo mundo tem um preço?
É a política, não o eleito.
Esse é o padrão a situação
faz o ladrão, não é mesmo?
Tem ainda aquele ditado
Dê poder
E conhecerá
A verdadeira faceta do sujeito.



Tem quem viva em sintonia

Com essas covardias citadas acima
Mas quando se pensa
Na terra que tem como Padroeira
Santa Tereza
A protetora de Altaneira
Essas premissas não combinam
Com o maioria da população
Que habita e faz moradia
Nessa região
Rica em História e Vegetação
A essência vem
Dos verdadeiros cidadãos
Agricultores, trabalhadores
Estudantes, artistas, professores
Servidores, aposentados e crianças
Pelos sítios e cidade
Nos vales e distritos
Pessoas que cultivam e alimentam
A honestidade como princípio padrão



Por isso

Denuncio
Aquele que utilizou
De seu mandato
Pra acumular terras e bens
Tudo isso pautado
No discurso cínico
Sem conteúdo
De um homem que se diz de bem



Entrou sem bem material nenhum

Sairá dessa gestão com alguns
Desde o início envolvido em polêmica
Esse sim é o seu lema
Escândalo foi sua essência
No gabinete e na câmara
Não respeitou nem a Primeira Dama
Qual é o limite da indecência, Excelência?
Não tenho interesse
Em julgar lhe moralmente
Agora a ética é exigência mínima
Pra quem ocupa a Prefeitura



Prefeito

Não precisa ser perfeito,
o mínimo
É tentar fazer direito



Sem pudor

Gozou
Priorizou seu crescimento
Esqueceu
O básico pra ser gestor
É governar para todos
Não para poucos



Misturou

O público e privado
Explicitou
suas maldades e falhas de caráter
Já não havia coerência
Entre o íntegro e o desejado em seu íntimo
Seu mandato foi regido
Por uma autoridade arbitrária
De popular a Ditador
Ele se acha o Maior
Geralmente os Menores
Tendem a cultivar
essa ilusão de si próprio
Lamento
Mais um pobre que chegou além
Se esqueceu de onde vem





Tenho a impressão no começo

Que ele queria fazer certo
É uma pena,
Escolheu
As vias ocultas
Priorizou o espetáculo
Assessoria cara e despreparada
Arrogante se blindou
De quem o apoiou
Com a justificativa
De ter personalidade suficiente
Não queria ser “influenciado”
Por quem o financiou



A verdade é que sua

Soberba o dominou
As palmas o encantou
O mito da ilusão
Do poder provisório
O cegou
Uma gestão pautada
No perigoso sentimento
Da vaidade
Em acumular privilégios
em vez de ampliar direitos diversos



Mudou o percurso

Da sua intenção de campanha
E seu compromisso
Com o povo desprovido
Firmado nos comícios
Não fazia mais sentido
Seu plano de governo
Trocou as 13 propostas prioritárias
Não era mais a população
A força dessa gestão
Os esquemas, acordos e traições
Agora era necessário
Pra manutenção do seu projeto
Eleito se sente o mais esperto
Ninguém detém o tal
Agora ele é o principal



Alguém avisa pra esse

pra sempre pobre coitado
Desprovido dos nobres
Princípios Básicos
Não adianta
Os valores são cultivados
não tem como ser furtado
Quanto maior se sente no alto
Mais no sub-solo está fincado
Seu mandato não é pra sempre
Sua fictícia superioridade
Tem prazo de validade
Já a sua mediocridade
Faço questão de eternizar
Nesse poema,
Decreto
Representante petulante
e sem qualidade
Não sairá impune
Lembrado será
Sempre que preciso:
Traidor do povo,
Foi só chegar ao objetivo
Revelou
Sua pior versão de político



Não isento

Nenhum sujeito
Que enriqueceu de forma suspeita
Principalmente aqueles
Que através da exploração da pobreza
Conquistaram suas propriedades e riquezas



Entretanto, acredito

Não haver perdão
Pra canalhas
Que sabe o que é ser povo
 e só ter ovo pra comer
De novo
E olhe lá muitas vezes
Só ter acesso ao oco



Enganar sem piedade

Eleitores que exerceram
Seu direito de escolher
Um candidato
Compromissado
Na construção de um mundo novo



Não se ilude

Essa gente carente
Sobretudo resistente
Muitos acreditaram
Na transformação
Dessa vez pensaram
-  Meu voto 
Não é em vão
Entrará alguém ciente
Do que é não ter nada
Finalmente gente como gente
Agora vai ser diferente
Saúde, Educação e Assistência
Pra quem necessita será priorizada



O mais votado

Se elegeu Prefeito da Cidade
Bastou entrar no gabinete
Pendurar sua foto na parede
Seu ego tomou a frente
A promessa
De uma gestão transparente
Se desviou mais rápido que verba
Que deveria ser usada devidamente
O Prefeito Municipal
Teve como principal referência
Aquela velha política
Repetida e Batida
Com teor
Assistencialista e seletiva
Além de punitiva para quem
Não seguir a cartilha



Suas ações em sua maioria

Foram
Sem escrúpulos
Burlou e deu pulos
Pra acumular
Propriedade privada
Beneficiar aliados
E pouco se importar
Com as necessidades primárias
Da sociedade que deveria
Ser vista como prioridade máxima



Não há crime maior

Do que ter a oportunidade
De mudar a realidade
Construir oportunidades
Ser ponte pro futuro
Vislumbrando saúde e educação
Pra todo mundo
E utilizar do seu poder
Em função de priorizar
Seus interesses difuso
Como se Cargo Público
Fosse altar pra exaltar
Seu querer particular
A tendência atual
É seguir o superficial
Ele prefere ser
Influencer digital
Quando deveria estar sendo
Um político com honra e moral





Entendam

Política não deve ser
Escada pra ascensão pessoal
E sim trampolim
pra evolução e emancipação social



O líder

Mais perigoso
é aquele que prioriza
O chegar lá
sem pudor
em quem vai pisar
Se não mais precisar
Descarta aliados 
Migra pra novos lados
Geralmente Justifica
Suas ações ilícitas
Como perseguição
“É tudo conspiração da Oposição”
Tá escrito nas inúmeras notas de esclarecimento
Para enganar a população
Quem muito se explica
Quer convencer que mentira
Se muitas vezes repetida
Tem chance de se tornar verdade dita
Tolo
subestima
A realidade sentida
Vivenciada na pele de quem precisa
Das políticas públicas
Explícita
Se o município não cresce
Posto de saúde e Escola
Padece
É porque a incompetência
Prevalece 





Confesso,

Não deve ser fácil
Ser a maior figura responsável
Pelo crescimento de uma cidade
Munido de problemas estruturais
Vindos lá de trás
Contribuir pro município evoluir
É uma jornada longa e demorada
Não será de imediato
Não existe solução rápida
Pra problemas complexos
Desigualdade é uma herança
Que o país carrega
Exige estratégia pra superar
Uma gestão com humildade
e uma equipe de trabalho de verdade
É a alternativa, uma via
Que devia ser seguida
Tática
Pra superar a politicagem
E começar a pensar Política
Como ferramenta crítica
A primeira lição é:
Sociedade, o Gestor não é patrão
É funcionário da população.



Agora o que não admito

É como um Representante Conhecedor
Das dores dos filhos desse município
Pode simplesmente ignorar o grito
E destruir o que até aqui
foi construído
Retrocesso é assassinato
De direitos conquistados
Isso não deve ser visto
Sem ser devidamente denunciado
Seja Vereador ou Prefeito
Ninguém roubará Altaneira
Sem sentir as consequências
Nem que seja o simples
 escrachar de evidências



Essa gestão carrega

Apenas uma razão
A logo Marca
Sem querer é alerta
É nas Mãos do Povo
Que está a decisão
E real possibilidade de transformação
Ainda há tempo
Existe solução pra essa situação
Chega de naturalizar
Corrupção



Dariomar não!

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

    Se você gostaria de receber nossas atualizações via RSS e-mail, basta digitar seu endereço de e-mail abaixo.

© 2013 A Pedreira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Proudly Powered by Blogger.
back to top