Comunicamos que:

Neste Blog, trataremos de política local e nacional, esportes, saúde,educação e habitação, problemas sociais e vários outros temas de interesse relevantes.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Eleição na Câmara: dia de vaca estranhar bezerro

Publicado por Junior Carvalho As quarta-feira, 13 de julho de 2016  | Sem Comentarios


Quando a situação se torna muito confusa, os políticos gostam de dizer que tem vaca estranhando bezerro. É o que se dará hoje na disputa pela presidência da Câmara. Temer agora prova do veneno com que seu partido, o PMDB, sempre intoxicou governos alheios. A ordem palaciana hoje é tentar evitar a vitória do peemedebista Marcelo de Castro, ainda que fingindo deixar o jogo correr livre entre os deputados.

Refém de Cunha, o Planalto deixou que ele dirigisse  o jogo de sua própria sucessão e pode colher a primeira grande derrota. Pode sobrar também para o ministro do Esporte, Leonardo Picciani,  que é visto como suspeito, pelo núcleo duro palaciano, de ter trabalhado pela escolha de Castro – que não se bica com Cunha nem presta vassalagem a Temer.

Ainda que PT e PC do B não oficializem o apoio ao peemedebista, a tentação é grande. Os dois partidos, mais o PDT, voltam a analisar o quadro hoje.  Se Castro chegar ao segundo turno contra o candidato do Centrão, Rogério Rosso, o Governo terá que sair do conforto e entrar com tudo na disputa. Mas talvez seja tarde. O PSDB terá que sair da moita e escolher entre o candidato de Cunha e o peemedebista enjeitado pelas vacas sagradas do Palácio.

Elas andaram dizendo que não iriam repetir o erro de Dilma, que teria insuflar um candidato petista (Arlindo Chinaglia) contra a candidatura de Cunha, no ano passado. Mas estão repetindo.

Dilma também fingiu que não se metia na disputa, ficou fora das articulações e deixou o barco correr, acreditando que o candidato petista conseguiria o apoio da maioria dos aliados. Perdeu feio e pagou caro.   Temer fez a mesma coisa, acreditando que Cunha e o Centrão dariam conta do serviço sozinhos.  A verdade é que governo algum pode brincar com este negócio de sucessão na Câmara. Tem que ter candidato sim, mas para isso precisa de uma base bem coesa. O que se está vendo, aos poucos, é que a unidade de abril era contra Dilma mas não era  exatamente a favor de Temer.

O curral está tão estranho que podem acontecer três coisas,  e todas terão consequências:

1) Vitória de Castro, que o Planalto terá de engolir mas causará indigestão no baixo clero do Centrão.

2) Vitória de Rosso, que dificilmente pacificará a Câmara depois de ter derrotado o PMDB

3) Vitória de um dos muitos Severinos que estão no páreo, se um deles chegar ao segundo turno, hipótese bem menos provável.




















Via Brasil 247


Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

    Se você gostaria de receber nossas atualizações via RSS e-mail, basta digitar seu endereço de e-mail abaixo.

© 2013 A Pedreira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Proudly Powered by Blogger.
back to top