Comunicamos que:

Neste Blog, trataremos de política local e nacional, esportes, saúde,educação e habitação, problemas sociais e vários outros temas de interesse relevantes.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Ciro compara impeachment de Dilma com golpe de 64

Publicado por Junior Carvalho As terça-feira, 19 de julho de 2016  | Sem Comentarios


Em entrevista a Revista Poder deste mês, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) virtual candidato a presidente da República em 2018, voltou a criticar o processo do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT).  Para ele, não faltam razões para não gostar do governo Dilma, mas o impedimento se dá quando é cometido, pessoalmente e dolosamente, crime de responsabilidade. Governo ruim não é crime de responsabilidade. “Não cometeu nem as pedaladas, porque isso se apura no exercício e ela encerrou 2015 com todas as contas pagas”.
Para ele, ele é um mero pretexto, como em 1964. “Na ocasião, o Auro de Moura Andrade, um Renan Calheiros da época, presidente do Senado, declarou vaga a Presidência da República alegando que Jango tinha fugido do país. Sobre essa base mentirosa se ergueu um castelo de cartas: Ranieri Mazzilli, o Eduardo Cunha de então, era o último da linha sucessória, convocou eleição indireta  já tinha se passado dois anos da eleição  e Castelo Branco foi eleito no Congresso Nacional  com voto de JK, que acreditou na mentira de que seria apenas para terminar o mandato. Hoje ninguém duvida que foi golpe. Naquela época o STF também declarou a legalidade de tudo aquilo, exatamente como estão fazendo hoje”, frisou.
Para Ciro, Dilma é honrada e a fiadora da democracia, mas não tem treinamento para a política e se cerca mal. “Nomeou o (Joaquim) Levy, que não é um quadro brilhante – trabalhei com Pérsio Arida, Gustavo Franco, Edmar Bacha… sei quem é brilhante mesmo sendo conservador  e está na ancestralidade da falência do Rio de Janeiro. Caso o golpe se consuma, ela crescerá muito como referência de firmeza. Aliás, é impressionante que a sociedade brasileira aceite o nível de mesquinharia de proibi-la, ainda presidente, de andar nos aviões da FAB, enquanto o Eduardo Cunha andava pra cima e pra baixo, um marginal afastado pelo STF. E cortar comida do Palácio, como se a Dilma estivesse comendo 60 mil por mês no maior luxo. Há um destacamento de 50 homens do Exército morando lá! Nunca quis viver pra assistir a isso. É justa a queixa da corrupção, do desmantelo do governo, mas não é possível que não saibam separar uma coisa da outra”, criticou.
Quanto a Lula, Ciro afirmou que ele é o responsável por entregar parte da administração aos “ladravazes da República”. Disse que Temer já era essa figura pequena e moralmente indefensável quando Lula o colocou na linha sucessória. Ciro afirma que Lula havia dito a ele que não daria Furnas a Eduardo Cunha “de jeito nenhum” e no dia seguinte o nomeou. Segundo o ex-ministro esse foi o motivo de seu afastamento do lulismo.
Ele observa que Dilma também deu a Cunha a vice-presidência da Caixa Econômica Federal, onde, segundo Ciro, o ex-presidente da Câmara dos Deputados levantou uma propina de R$ 52 milhões. “Nada justifica, porém, a violência que o Lula tem sofrido. Foi ilegal a condução coercitiva: só pode levar debaixo de vara, como se diz no Ceará, quem se negou a obedecer à intimação”, pontuou.
Na entrevista a Revista Poder, Ciro também fala sobre o juiz Sérgio Moro. Para ele, o juiz da Lava-Jato tem um papel importante, mas pode estar sendo manipulado por ser muito jovem e a política ser mais complexa do que ele consiga perceber. “Começou a aceitar o incenso, essa coisa de ir para o estrangeiro de gravatinha-borboleta… Juiz bom é o severo, aquele que não vai nem ao bar para não dizerem qualquer coisa. Certas ilegalidades cometidas na Lava Jato abrem brecha para a anulação de muita coisa lá na frente, como aconteceu na Satiagraha. O delegado herói de então (Protógenes Queiroz) está exilado, com ordem de prisão, e os acusados estão livres porque as nulidades destruíram as evidências reais. Nos Estados Unidos, divulgar gravação de um presidente da República dá até pena de morte. Moro sabe que violou a lei e tinha obrigação de destruir as gravações”, avalia.
Com relação ao governo Temer, Ciro Gomes diz que, salvo Henrique Meirelles, de quem diz ser amigo, mesmo discordando do mesmo, é um misto de incompetência com bandidagem. “O povo tem razão de estar zangado, porém o desastre de um governo ilegítimo se projeta para 20 anos, enquanto um mau governo passaria em dois. E é a maior frouxidão fiscal que eu já vi”, critica.
Ciro Gomes observa que defender o mandato da Dilma e ao mesmo tempo criticar o desastre que foi seu governo tem o deixado na maior solidão. Assevera quer o desemprego saltou de 6% para 11%, a dívida pública galopou, os juros mais altos do planeta.
Observa que a próxima crise é do setor financeiro: “ninguém paga ninguém, é a maior inadimplência da história. Sabe quem mica com a quebra da Oi? O Estado. Os bancos privados empurraram todos os créditos para os públicos, como de praxe. Este país está sendo assaltado há muito tempo, e o sintoma disso não é um tríplex cafona no Guarujá. Agora vem essa emenda constitucional para congelar a despesa primária, deixando os juros, que é a maior despesa corrente, por fora. Um governo ilegítimo, precário, aproveitando a perplexidade do momento, pode congelar o gasto primário por 20 anos! Se fizerem, é o caso de ir lá quebrar tudo, porque isso é a revogação da Constituição de 1988”.
Ele falou ainda sobre sua vida partidária, que qualificou de é um desastre. Diz que sua única defesa é que fica na dele, e os partidos é que mudam radicalmente. Diz que José Serra já foi de quatro partidos; Marina Silva, mudou três em três anos, tudo por projeto pessoal. “Mas só a mim perguntam… Vim para o PDT para mobilizar as pessoas e defender a democracia. Vou pensar mil vezes antes de ser candidato”.
Ele acusa José Serra de ser obcecado pelo poder, traidor da própria memória. “Ninguém quer bem a ele. Agora resolveu, escorado no interesse estrangeiro e no golpe, forçar a mão para ser o FHC do Itamar. Mas está muito longe de calçar o sapato do charmosíssimo Fernando Henrique, e o Temer também não é Itamar  que era decente, um grande estadista”, frisa.
Sobre Marina Silva, disse que ela é uma pessoa séria, mas não compreende o Brasil. “Vocês acham que eu não gostaria de não ser polêmico? Adoraria ser homenageado pelo Greenpeace, mas tenho de defender o país. Sou a favor da BR-163, que liga Santarém a Cuiabá e vai tornar a produção de soja do Centro-Oeste a mais competitiva do planeta. A Marina era radicalmente contra, até que foi lá comigo  somos amigos  e voltou com a cabeça virada. A “indiarada” toda pedindo a BR! É muito bom ter ar-condicionado central, Hospital Israelita Albert Einstein, e querer para os outros, em abstrato, o atraso”.
Na entrevista ele foi indagado sobre seu temperamento explosivo, que tem lhe causado alguns dissabores, mas disse que não vai mudar o seu jeito. “Fico p… da vida com esse fru-fru aristocrático. Já viu o Cunha sendo chamado de ladrão? Ele olha para o outro lado. Essa é a elegância que a elite brasileira gosta. Tenho longa biografia e ocupei muitos cargos, mas na pauta de vocês nunca vai aparecer a pergunta ‘como o senhor explica tanto dinheiro no seu patrimônio’ e olha que é dever de vocês me fustigar. Por isso olho para trás e digo ‘no regrets!'”.





Via Ceará Agora

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

    Se você gostaria de receber nossas atualizações via RSS e-mail, basta digitar seu endereço de e-mail abaixo.

© 2013 A Pedreira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Proudly Powered by Blogger.
back to top