Comunicamos que:

Neste Blog, trataremos de política local e nacional, esportes, saúde,educação e habitação, problemas sociais e vários outros temas de interesse relevantes.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Bolsonaro declara que não estupra deputada porque ela 'não merece'

Publicado por Junior Carvalho As quarta-feira, 10 de dezembro de 2014  | Sem Comentarios



Em discurso no plenário da Câmara, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse nesta terça (9) que só não "estupraria" a colega Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra de Direitos Humanos, porque ela "não merecia".

Conhecido por suas posições polêmicas, contrárias aos direitos humanos, Bolsonaro atacou a ministra ao rebater um discurso feito por Maria do Rosário minutos antes no plenário da Câmara, no qual a ex-ministra defendeu a Comissão da Verdade e as investigações dos crimes da ditadura militar.

O PT discute apresentar uma representação contra o parlamentar por quebra de decoro parlamentar.

"Não saia, não, Maria do Rosário, fique aí. Fique aí, Maria do Rosário. Há poucos dias [na verdade a discussão ocorreu há alguns anos] você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não estuprava você porque você não merece. Fique aqui para ouvir", afirmou Bolsonaro.

Irritado, o deputado também mandou a deputada "catar coquinho" e fez sucessivos ataques ao governo Dilma Rousseff.

"Maria do Rosário, por que não falou sobre sequestro, tortura, execução do Prefeito Celso Daniel, do PT? Nunca ninguém falou nada sobre isso aqui, e estão tão preocupados com os direitos humanos. Vá catar coquinho", disse o deputado. "Mentirosa, deslavada e covarde", completou.

Em seu discurso, Maria do Rosário criticou as manifestações pelo país que defendem o retorno da ditadura militar, o que irritou Bolsonaro.

A petista também fez uma defesa da democracia e das Forças Armadas que não são "avessas ao Estado democrático de direito".

"São poucos na verdade, mas deveriam ter consciência do escárnio que promovem indo às ruas pedir a ditadura, pedir o autoritarismo e o impeachment. Ora, figuras de linguagem desvalidas porque colocadas no pior lixo da história", disse a deputada.

Em resposta, Bolsonaro afirmou que o Dia Internacional dos Direitos Humanos é o "dia internacional da vagabundagem", uma vez que se aplica apenas a "bandidos, estupradores, marginais, sequestradores e corruptos".

Bolsonaro também fez ataques à presidente Dilma, ao afirmar que o ex-marido da petista participou de uma "execução" durante a luta armada na ditadura. Bolsonaro disse que o governo Dilma é o "mais corrupto da história do Brasil" com as denúncias envolvendo a Petrobras.

"Vamos partir para onde? Para a cubanização como uma forma de salvar o País? Volta à CPMF, a nova alíquota do imposto de renda, a taxação de grandes fortunas. Governo canalha, corrupto, imoral, ditatorial", atacou.

A deputada Manuela D'Ávila (PC do B-RS) reagiu aos ataques de Bolsonaro contra Maria do Rosário em sua conta no Twitter. A deputada disse que o PC do B vai ingressar com representação contra o parlamentar no Conselho de Ética da Câmara.

"Quando ele diz que ela não merece ser estuprada diz sublinarmenre que algumas mulheres merecem e que ele é potencial estuprador. No Congresso, o barco segue como se nada fosse. Um dia sou eu, noutro @Alice_Portugal, noutro @vanessasenadora, hoje @_mariadorosario", disse em referência a outras parlamentares que já receberam críticas de Bolsonaro.

REINCIDENTE

Esta é a segunda vez em que Bolsonaro, na condição de deputado, diz que não estuprará Maria do Rosário porque ela não merece. Em novembro de 2003, ele discutiu com ela, que era deputada, diante das câmeras da RedeTV! no Congresso Nacional.

A então deputada acusou Bolsonaro de promover violência, inclusive violência sexual: "O senhor promove sim", dizia a deputada. "Grava aí que agora eu sou estuprador", retrucou o pepista. "Jamais iria estuprar você, porque você não merece", acrescentou.

Diante da fala, Maria do Rosário disse que daria uma bofetada em Bolsonaro se este tentasse algo. Passou a receber empurrões do deputado, que a respondia "dá que eu te dou outra", antes de começar a chama-la de "vagabunda" e ser contido pelos seguranças da Câmara.

Alterada, a petista o criticou por chamar qualquer mulher de "vagabunda".

Em entrevista, Bolsonaro disse a briga começou com um comentário sobre a redução da maioridade penal. Ao ouvir que Maria do Rosário era contrária à medida, sugeriu que a deputada contratasse o Champinha (Roberto Alves da Silva), que participou do estupro e assassinato de Liana Friedenbach, para ser motorista de sua filha.

RESPOSTA

Após a confusão, Maria do Rosário afirmou que deseja "distância" de Bolsonaro e vai pedir para que o comando da Casa o impeça de mencioná-lo. A petista afirmou ainda que considera a atitude dele típica de um torturador.

A deputada Jandira Feghali (PC do B) disse que o PC do B avalia se vai apresentar uma representação no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar e também uma queixa crime no STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo ela, além de ter assumido que foi torturador durante o regime militar, agora, Bolsonaro "assume que é estuprador".

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse que Maria do Rosário tem instâncias dentro da instituição para pedir a avaliação do caso.

"A deputada tem todo o instrumental da Câmara para recorrer, para contestar e a Câmara se pronunciar no caso de excesso e abuso punir o deputado, se assim entender. Na Câmara, não pode ter esse tipo de comportamento. Temos que dar o exemplo aqui nas relações políticas e pessoais", disse.






















Via cearanews7

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

    Se você gostaria de receber nossas atualizações via RSS e-mail, basta digitar seu endereço de e-mail abaixo.

© 2013 A Pedreira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Proudly Powered by Blogger.
back to top