Comunicamos que:

Neste Blog, trataremos de política local e nacional, esportes, saúde,educação e habitação, problemas sociais e vários outros temas de interesse relevantes.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Discurso parecido com o de 2012

Publicado por Junior Carvalho As terça-feira, 15 de abril de 2014  | Sem Comentarios



No evento mais importante do Governo do Estado, na última semana, a solenidade de lançamento do Programa em Defesa da Vida, uma ausência notada foi a do vice-governador Domingos Filho. E foi percebida, primeiro pelo fato de ter se dado poucos dias depois dos acontecimentos políticos nos quais o vice esteve no centro, culminando com a não desincompatibilização do governador Cid Gomes, e segundo, por ser a pessoa de Domingos uma presença frequente a quase todos os atos públicos da administração estadual.



Este momento da política estadual, no tocante à relação entre correligionários e aliados governistas, com mudança apenas de agentes, está muito parecido com a registrada em 2012, quando estava sendo discutida a sucessão da ex-prefeita de Fortaleza, a petista Luizianne Lins.

Naquela oportunidade, até a oficialização do rompimento da aliança entre o PSB, ex-partido de Cid, e o PT municipal de Luizianne, um e outro falavam de intenções e diálogos para a manutenção daquela situação, inverossímil, sem qualquer esforço de compreensão, para até observadores menos atentos.
Estratégia




No Diário do Nordeste, em várias oportunidades, mesmo diante do discurso oficial de então, foram várias as matérias veiculadas que antecipavam o rompimento entre governador e prefeita, apoiadas, tais informações, em posições e argumentos fornecidas pelos dois principais atores, diversas das manifestações públicas de ambos, tal como agora, quando se aproxima a definição de escolha dos candidatos ao Governo e ao Senado, com o grupo governista tendo de reformar a sua estratégia após a permanência do governador no cargo, e a consequente inviabilização de uma candidatura de Ciro Gomes ao Senado.




O quadro de hoje só está um pouco diferenciado daquele de 2012, pela participação do vice-governador. Habilidoso, experiente articulador, focado em objetivos, Domingos Filho não discute o seu projeto de poder pelos meios de comunicação. Ao contrário, atua nos bastidores, e diga-se para fazer justiça, com correção e respeito aos adversários. Sua saída do PMDB, depois de um longo período de divergência interna com o senador Eunício Oliveira, presidente do partido no Estado, por fim, aconteceu sem os traumas comuns de episódios semelhantes, sendo o exemplo do comportamento diferente de fazer política.




Domingos, para os mais próximos, tenta passar a ideia de estar tudo como dantes quanto ao seu relacionamento com o governador e o Governo. Realmente não está. Seus correligionários, na cúpula do PROS, reservadamente, fazem comentários sobre as mudanças presentes e as futuras. E não escondem o desapontamento com este momento. Eles esperavam que o vice tivesse dito ao governador, no primeiro momento em que foi abordado para renunciarem, no último dia 4, era que tendo entrado com Cid com ele sairia, permitindo a execução da segunda etapa do projeto traçado para a sucessão estadual, onde ele próprio estaria incluso.




Acompanhar



.

Como registramos no último domingo, a determinação de Ciro, até aquele momento, em não ser candidato ao Senado, teve sim influência na decisão de Cid de ficar. Mas, pesou mais, pelas razões já apontadas, a decisão de Domingos em não acompanhar o governador na renúncia, principalmente após de a ele ter sido oferecidas posições, uma de relevo na administração pública nacional, embora que temporariamente, e outra, vitalícia, no Tribunal de Contas do Estado, já a partir de agora na vaga que foi colocada à disposição do Palácio da Abolição.




Ao contrário de antes, quando o Governo tinha a oposição dependente de uma candidatura ao Senado do próprio Cid (que sempre negou ter interesse em disputar mandato neste ano) ou de Ciro, ao Senado, para formar sua chapa, agora os governistas vão esperar o desenvolver da prevista candidatura do senador Eunício Oliveira, principalmente na parte referente à composição da aliança que tiver capacidade de formatar.




Estruturadas




A postulação do senador peemedebista, hoje, bem mais que antes, é uma realidade para o ambiente oposicionista e do próprio Governo, onde não conseguiu viabilizar sua pretensão de ser o candidato da coligação que estava perdurando desde 2006.




Como estavam tão certos da saída de Domingos, consolidando o plano da estratégia sucessória, os governistas não produziram alternativas. Elas vão começar a ser estruturadas a partir do fim deste mês, quando Ciro voltar de uma viagem de férias, e agora mais do que nunca reflexivas, e o governador se restabelecer por completo da saúde, alterada no evento de Limoeiro do Norte, na primeira quinta-feira deste mês. Ele ainda guarda um relativo repouso e por isso, nesta semana, deve se afastar de Fortaleza por um período de aproximadamente 10 dias, sem licença oficial.


























Via blogs.diariodonordeste

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

    Se você gostaria de receber nossas atualizações via RSS e-mail, basta digitar seu endereço de e-mail abaixo.

© 2013 A Pedreira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Proudly Powered by Blogger.
back to top